Acessibilidade

A + A A -

Campanha Em Defesa do Hospital Centenário

Em defesa da saúde pública, Hospital Centenário 100% SUS.

O Hospital Centenário, que é referência para mais de um milhão de pessoas nos Vales do Sinos, do Caí e na região metropolitana, corre o risco de diminuir cada vez mais a sua capacidade de atendimento. Um cenário provocado pela insuficiência de verbas federais e a falta do repasse de recursos do Governo do Estado. Atualmente, a Prefeitura de São Leopoldo assume 70% dos custos do Centenário. Um desequilíbrio que compromete também a saúde financeira e o investimento nas demais áreas do município. Para se ter uma ideia, a receita gerada pelo IPTU varia em torno de R$ 40 milhões, enquanto o custo anual do Hospital Centenário é de aproximadamente R$ 90 milhões. Isso não pode acontecer. É nossa obrigação esclarecer os fatos. É direito da população saber a verdade. Juntos, podemos combater esta injustiça.

 

O que está acontecendo?

Para que a casa de saúde, que completou 87 anos sem nunca ter fechado as portas, não entre em colapso e deixe de atender a comunidade do município e da região, é necessário unirmos esforços. A Fundação Hospital Centenário sofre com um déficit mensal que chega a R$ 6 milhões, sendo R$ 1,6 milhão diretamente de seus cofres, e o restante tendo que ser repassado pelo Município para cobrir somente a folha de pagamento, cofre que também está combalido. 

Atualmente, o Hospital Centenário recebe do governo estadual a quantia de R$ 235 mil, para atender a mais de um milhão de pessoas, já que é referência, em várias especialidades, para 18 municípios da região. Não dá para o hospital continuar atendendo com estes parcos recursos do Estado e a Prefeitura não tem mais como arcar com a folha de pagamento, o que ocorre há mais de 20 anos. é preciso, urgentemente, repactuar a situação do nosso hospital, nem que para isso ele seja transformado em hospital 100% SUS. 
Além disso, existe o risco, iminente, do Centenário deixar de atender a outros municípios nas especialidades em que é referência, como a neurologia, por exemplo.  Na neuro, São Leopoldo atende  pacientes de 15 cidades, mas não recebe, desde 2007, qualquer valor para isso.
 
Enquanto isso, hospitais da região recebem 3, 4 e até 5 milhões, sem precisarem atender a outros municípios. 
Uma reunião na próxima segunda-feira, na Secretaria de Saúde do Estado, vai discutir alternativas para salvar o Hospital Centenário. 
 

Compare os recursos recebidos pelos hospitais da região.

O Centenário está praticamente abandonado pelo Governo do Estado.

* Hospital de Novo Hamburgo: 226 leitos | atende média e alta complexidade - R$ 3.344.727,44

* Hospital de Esteio: 160 leitos | atende média complexidade - R$ 2.041.807,00

* Hospital de Sapucaia do Sul: 175 leitos | atende média complexidade - R$ 3.916.101,00

* São Leopoldo: 186 leitos | atende média e alta complexidade - R$ 235.773,76


Entenda o caso:

O Hospital Centenário tem uma despesa mensal de R$ 9 milhões; recebe do governo estadual R$ 235 mil, do federal R$ 2,3 mihões e o restante, cerca de R$ 6 milhões, a Prefeitura tem que bancar.
A Fundação Hospital Centenário acumula uma dívida de R$ 29 milhões.
O Hospital Centenário tem 867 funcionários e 200 leitos. Atende a 15 municípios, somente na neurologia, sendo que os recursos são integralmente repassados pela Prefeitura.
O atraso nos pagamentos de fornecedores, por falta de dinheiro em caixa, tem gerado suspensão de serviços e de medicamentos, deixando a população desassistida.
O Hospital Centenário é um hospital geral, de portas abertas, com atendimento de urgência e emergência. Na oncologia, é referência para 18 municípios em alta complexidade.
A Prefeitura está com um rombo financeiro mensal de R$ 7 milhões e não consegue pagar a folha do funcionalismo e nem mesmo cumprir com outras obrigações contratuais, por absoluta falta de receita.
 

Em 2 de fevereiro, a Prefeitura de São Leopoldo emitiu a seguinte nota oficial: 

GOVERNO DO ESTADO DISCRIMINA O CIDADÃO LEOPOLDENSE 

O governo do Estado do Rio Grande do Sul discrimina o Hospital Centenário, de São Leopoldo e, por consequência, faz mal à população da cidade que é atendida por um único hospital público. Prejudica também cidadãos de 18 municípios que precisam do Centenário no atendimento de referência em média e alta complexidade. No início de janeiro foram repassados mais de R$ 140 milhões para a saúde de municípios do Estado. Somente para hospitais, foram R$ 100 milhões. Nada para São Leopoldo.

Esta semana, foi anunciado repasse de mais R$ 176 milhões, sendo R$ 9 milhões somente para hospitais aqui do Vale do Sinos. Novamente, nem um tostão para o Centenário. Nem mesmo foi cumprida a ordem judicial de depósito dos irrisórios R$ 235 mil que o hospital deveria receber do Estado, atrasados desde setembro. A Prefeitura ganhou liminarmente, a Justiça determinou o pagamento, mas o Estado recorreu, está de posse do processo e desta forma inviabiliza que o dinheiro entre nos cofres do Município.

Atualizando, o governo Sartori deve mais de R$ 1,1 milhão ao hospital leopoldense.

O drama do hospital Centenário é grande e se arrasta há algum tempo. Mas tem piorado nestes últimos anos, especialmente por que não foi feita a orçamentação com o governo do Estado, na administração anterior do Município e o repasse – que deveria ser realizado mensalmente – ficou fixado em R$ 235 mil. A despesa mensal do HC chega perto dos R$ 9 milhões.

Apesar de várias tentativas, conversas, protestos, audiências, a situação do Centenário não sensibilizou o governo. Ao contrário, ao invés de ajudar com mais recursos, o governo estadual – no que parece ser uma retaliação política – simplesmente cortou os repasses.

É uma total falta de respeito, não com a administração da cidade ou com Fundação Hospital Centenário, mas com a população de São Leopoldo. Repudiamos esta atitude, que prejudica o cidadão leopoldense. A saúde é responsabilidade de todos os entes federados - Município, Estado e União.

A Prefeitura de São Leopoldo tem assumido a manutenção do Centenário, que esta à beira de um colapso. Vamos responsabilizar, sim, o governo estadual, por todos os prejuízos no atendimento hospitalar de nossa população. Cumpriremos a nossa parte até quando possível, mas não nos furtaremos em denunciar o descaso, a discriminação, a politização do que deve ser obrigação de quem governa um estado do tamanho do Rio Grande do Sul.

 

Nota emitida em 29/12: Mesmo com boicote do Governo do Estado, São Leopoldo mantém atendimento no Hospital Centenário

A crise na saúde gerada pela falta de repasse de recursos do Governo do Estado e a insuficiência de verbas do Governo Federal motivou a reunião extraordinária, nesta sexta-feira, 29 de dezembro, entre o prefeito Ary Vanazzi e membros da Fundação Hospital Centenário, Secretaria Municipal de Saúde (Semsad) e Procuradoria Geral do Município. 
O Governo do Estado, mesmo com ordem judicial, não repassa a verba mensal R$ 235 mil ao Hospital Centenário, atrasada desde setembro. Outros municípios, contudo, tem recebido normalmente suas verbas, destinadas seletivamente. 
Mesmo com o quadro de crise gerado pelo boicote do governo estadual à Saúde de São Leopoldo, a Prefeitura manterá, com muito esforço, o atendimento à população no Hospital Centenário. Além disso, a Semsad recomenda que a população busque, preferencialmente, atendimento no Centro de Saúde da Feitoria e na UPA Scharlau nos casos que não forem de maior gravidade.
 
     
Prefeitura Municipal de São Leopoldo
Av. Dom João Becker, 754. Centro. CEP: 93010-010. Fone: (51) 2200-0201
Horário de atendimento: 9h às 14h